Hábitos que estão matando a sua produtividade

Hábitos que estão matando a sua produtividade

Anda improdutivo? Elimine estes hábitos

Quebrar um hábito não costuma ser uma tarefa fácil, mesmo quando ele claramente prejudica a sua produtividade e o seu bem-estar.

Em artigo para o LinkedIn Pulse, o psicólogo Travis Bradberry defende que o que falta, em muitos casos, é simplesmente auto-controle.

Segundo o especialista em inteligência emocional, conseguir dominar as próprias atitudes é essencial para o sucesso – e não apenas para render mais no trabalho.

Uma pesquisa conduzida por estudiosos norte-americanos mostra que pessoas com bom auto-controle são mais felizes do que aquelas que cedem aos próprios impulsos. A tendência se confirma tanto a curto quanto longo prazo.

No Pulse, Bradberry listou as atitudes que considera mais nocivas para a produtividade. Navegue pelas imagens para conhecer 7 delas:

1. Navegar na internet compulsivamente

Você sente uma espécie de “coceira” para checar o celular, assistir a um vídeo divertido ou ler um pequeno texto no Facebook durante o expediente? O hábito é muito comum, mas é menos inofensivo do que parece. Após uma quebra de atenção, levamos cerca de 23 minutos para voltar à nossa tarefa original, segundo Gloria Mark, especialista em distração digital ouvida pelo Wall Street Journal.

Todo profissional pode – e deve – fazer pequenas pausas no trabalho para ser produtivo, mas elas precisam ser programadas. Segundo Bradberry, o cérebro precisa de 15 minutos ininterruptos de concentração para entrar em estado de flow, isto é, atingir o ápice do seu desempenho. Quebras constantes de atenção impedirão que você chegue a esse estado mental de hiperprodutividade.

2. Responder e-mails assim que eles chegam

Muitos especialistas em administração do tempo recomendam estabelecer horários determinados para checar a sua caixa de e-mails. Afinal, ler mensagens assim que elas chegam significa interromper constantemente a sua linha de pensamento.

Uma dica é configurar alertas para os remetentes mais importantes, cujos recados serão os únicos a serem lidos imediatamente. Os demais e-mails podem ser checados nos horários pré-definidos para essa tarefa ou sempre que você chegar ao final de uma atividade.

3. Buscar energia nos alimentos errados

O nível de glicose no seu sangue funciona como um pedal acelerador do seu cérebro: quando está baixo, você se sente cansado, lento e dispersivo; quando está alto, você consegue trabalhar a todo o vapor. A quantidade ideal da substância para otimizar o seu desempenho é 25 gramas.

O detalhe é que os efeitos da glicose para a sua produtividade podem variar muito de acordo com a fonte alimentar. Doces com açúcar refinado e refrigerantes, por exemplo, geram um salto de energia que dura apenas 20 minutos. Já aveia, arroz integral e outros alimentos com carboidratos complexos têm efeitos mais duradouros e, por isso, merecem ser priorizados.

4. Apertar o botão “soneca” do despertador

Ceder à tentação de ganhar mais alguns minutos de sono pela manhã pode parecer um “presente” que você dá a si mesmo. Mas esse hábito pode ter efeitos surpreendentemente negativos para o seu bem-estar durante o dia.

Bradberry explica: o cérebro normalmente prepara o corpo para estar alerta na hora em que você costuma despertar. É por isso que muitas vezes acordamos um pouco antes do som do alarme. Quando você usa o botão “soneca” e volta a dormir, você perde esse “empurrãozinho” da natureza para acordar. Para ter manhãs mais produtivas, é melhor respeitar o primeiro alarme do relógio.

5. Aceitar todos os convites de reunião

Segundo Bradberry, executivos hiperprodutivos compartilham uma certa aversão a reuniões. “Eles as evitam ao máximo porque sabem que podem durar uma eternidade”, diz o especialista. Para não perder um tempo precioso do seu dia, é melhor ser bastante criterioso na hora de aceitar convites para esses encontros.

Se de todas as maneiras for impossível fugir, a saída é lutar para que a conversa não extrapole demais a programação. De acordo com o especialista, as reuniões costumam ser muito mais interessantes e úteis quando precisam respeitar um horário rígido ou um limite claro para os temas a serem tratados.

6. Trabalhar em modo “multitasking”

Enquanto os especialistas ainda debatem se o multitasking é possível ou impossível neurologicamente, o fato é que fazer malabarismo com várias tarefas empobrece o seu desempenho, diz Bradberry.

Isso porque pessoas bombardeadas por estímulos têm dificuldades de memorização e não conseguem prestar atenção suficiente no que estão fazendo. É mais produtivo e menos estressante começar uma atividade só depois de ter concluído a anterior.

7. Sacrificar a execução em nome da “perfeição”

Prezar pela qualidade da entrega é diferente de postergar indefinidamente o início de uma tarefa pela convicção de que ela ainda não foi bem planejada.

O bloqueio causado pelo perfeccionismo aparece principalmente na hora de começar a atividade. O conselho Bradberry é não passar tempo demais diante de uma página em branco. Afinal, diz ele, não dá para melhorar o que ainda não foi feito, mas é possível aperfeiçoar o que você já começou.

Por PEGN

Quer melhorar ainda mais o desempenho da sua equipe? Confira nosso e-Book.

Call to Action Ebook (Produtivo)

Deixe uma resposta